Connect with us

Lazer & Cultura

IPS recebe Impactos da Street Art

Avatar

Publicado há

em

A Escola de Hotelaria e Turismo de Setúbal vai ser palco do Impactos da Street Art!

Organizado pelo Instituto Politécnico de Setúbal em parceria com a Câmara Municipal de Setúbal (CMS), esta iniciativa vai juntar artistas, autarcas, agentes socioculturais e académicos. Tem lugar a dia 22 de novembro.

As portas abrem pelas 9h30 horas. Pedro Dominguinhos, presidente do IPS, e Maria das Dores Meira, presidente da CMS, abrem o evento ao falar do fenómeno da arte urbana em Portugal. Muito asssociado a políticas municipais de requalificação em bairros degradados, a street art é um movimento emergente e encarado por muitos como um “ato de reapropriação da cidade”.

Começa pelas 10 horas o primeiro painel de discussão. Dá-se voz aos próprios artistas: nomes como Ivo Santos (smile1 art), Ana Mesquita (MESQ), José Carvalho (Ozearv) e Tiago Proença (Tiago Hesp). A moderar, Luiz Souta – docente da Escola Superior de Educação (ESE/IPS).

O mote da segunda mesa de oradores (11h30) é  “Autarquias e os impactos socioeconómicos”. Os intervenientes são eleitos das câmaras municipais de Moita, Cascais e Loures – e a é de moderação de Luís Liberato, docente da ESE/IPS e diretor do Departamento de Cultura, Educação, Desporto, Juventude e Inclusão Social da CMS.

Da parte da tarde (14h30), espaço para ouvir a perspetiva das associações culturais e de moradores. O painel é moderado por Mónica Duarte, da CMS. Vários projetos comunitários desenvolvidos em Lisboa, Loures e Setúbal vão ser apresentados.

O evento termina com a perspetiva académica face à street art. Pelas 16 horas, o debate é conduzido pelo docente Luís Carlos Santos, da ESE/IPS, com intervenções de André Carmo, geógrafo, Ana Pinto, historiadora de arte, e das sociólogas Ágata Dourado Sequeira e Letícia do Carmo.

Com este encontro, o IPS tem como objetivo acompanhar as várias experiências regionais do fenómeno da arte urbana, estudar e refletir sobre este “património local”, enquanto “arte do efémero”.

[Foto: IPS]

Publicidade
Clica para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

PGRpdiBjbGFzcz0iZXB5dC12aWRlby13cmFwcGVyIj48aWZyYW1lICBzdHlsZT0iZGlzcGxheTogYmxvY2s7IG1hcmdpbjogMHB4IGF1dG87IiAgaWQ9Il95dGlkXzMwMTkxIiAgd2lkdGg9IjQ5MCIgaGVpZ2h0PSIyNzYiICBkYXRhLW9yaWd3aWR0aD0iNDkwIiBkYXRhLW9yaWdoZWlnaHQ9IjI3NiIgIGRhdGEtcmVsc3RvcD0iMSIgc3JjPSJodHRwczovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS9lbWJlZC9SZ0RXTGpXUjktaz9lbmFibGVqc2FwaT0xJmF1dG9wbGF5PTAmY2NfbG9hZF9wb2xpY3k9MSZyZWw9MCZpdl9sb2FkX3BvbGljeT0xJmxvb3A9MCZtb2Rlc3RicmFuZGluZz0xJmZzPTEmcGxheXNpbmxpbmU9MCZhdXRvaGlkZT0yJnRoZW1lPWRhcmsmY29sb3I9cmVkJmNvbnRyb2xzPTEmIiBjbGFzcz0iX195b3V0dWJlX3ByZWZzX18gIG5vLWxhenlsb2FkIiBkYXRhLXZvbD0iMTAiICBkYXRhLWVwYXV0b3BsYXk9IjEiICB0aXRsZT0iWW91VHViZSBwbGF5ZXIiICBhbGxvdz0iYXV0b3BsYXk7IGVuY3J5cHRlZC1tZWRpYSIgYWxsb3dmdWxsc2NyZWVuIGRhdGEtbm8tbGF6eT0iMSIgZGF0YS1za2lwZ2Zvcm1fYWpheF9mcmFtZWJqbGw9IiI+PC9pZnJhbWU+PC9kaXY+