Connect with us

Desporto & Saúde

Portugueses voltam a ganhar 80% do peso que perdem

Avatar

Publicado há

em

Um novo estudo da Faculdade de Motricidade Humana (FMH) apurou que os portugueses que tentam emagrecer perdem, em média, 7 a 8 quilos. O problema está no que acontece depois…

Feito com base numa amostra representativa da população portuguesa, este trabalho da FMH analisou o nosso comportamento relativamente à dieta. Segundo os resultados obtidos, os portugueses que têm o objetivo de emagrecer conseguem-no, numa média de 7 a 8 quilos. O que é mais complicado é manter esse peso, pois de acordo com este estudo, os portugueses acabam por recuperar 80% do que perderam.

As causas para que os portugueses voltem a ganhar esse peso estão, ainda segundo este trabalho, nas estratégias agressivas e na falta de exercício físico. As tentativas de perda de peso duram, em média, 44 semanas, e o facto de não durarem mais pode ser explicado por este uso de estratégias e de métodos pouco sustentados no tempo.

Por outro lado, o estilo de vida contemporâneo também ajuda a explicar a recuperação do peso: “É como estar a remar contra a corrente do rio. Há muita pressão para uma alimentação demasiado calórica e para passarmos muito tempo sentados”, afirma o investigador Pedro Teixeira.

Como soluções para o problema do peso, o estudo fala em alimentação equilibrada e em padrão regular, bem como na capacidade de incluir a atividade física no dia a dia, combinado com não passar muitas horas a ver televisão.

Ainda assim, o investigador Pedro Teixeira refere que “não existe uma única receita para o sucesso. É sempre a própria pessoa a conseguir encontrar a fórmula que melhor se adapta às suas preferências, ao seu quotidiano. Sabemos que existem vários perfis de sucesso. Cabe a cada um perceber o que é melhor no seu caso”, sustenta.

Actualmente, a Faculdade de Motricidade Humana está a testar as estratégias de manutenção da perda de peso com o recurso às tecnologias de informação, tentando compreender como sites ou aplicações informáticas e de telemóvel podem ser usadas ao serviço da melhoria da saúde.

Este estudo (NoHow), financiado pela Comissão Europeia, também vai decorrer na Dinamarca e também no Reino Unido.

[Foto: Faculdade de Motricidade Humana]

Publicidade
Clica para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

PGRpdiBjbGFzcz0iZXB5dC12aWRlby13cmFwcGVyIj48aWZyYW1lICBzdHlsZT0iZGlzcGxheTogYmxvY2s7IG1hcmdpbjogMHB4IGF1dG87IiAgaWQ9Il95dGlkXzkwODA2IiAgd2lkdGg9IjQ5MCIgaGVpZ2h0PSIyNzYiICBkYXRhLW9yaWd3aWR0aD0iNDkwIiBkYXRhLW9yaWdoZWlnaHQ9IjI3NiIgIGRhdGEtcmVsc3RvcD0iMSIgc3JjPSJodHRwczovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS9lbWJlZC9SZ0RXTGpXUjktaz9lbmFibGVqc2FwaT0xJmF1dG9wbGF5PTAmY2NfbG9hZF9wb2xpY3k9MSZyZWw9MCZpdl9sb2FkX3BvbGljeT0xJmxvb3A9MCZtb2Rlc3RicmFuZGluZz0xJmZzPTEmcGxheXNpbmxpbmU9MCZhdXRvaGlkZT0yJnRoZW1lPWRhcmsmY29sb3I9cmVkJmNvbnRyb2xzPTEmIiBjbGFzcz0iX195b3V0dWJlX3ByZWZzX18gIG5vLWxhenlsb2FkIiBkYXRhLXZvbD0iMTAiICBkYXRhLWVwYXV0b3BsYXk9IjEiICB0aXRsZT0iWW91VHViZSBwbGF5ZXIiICBhbGxvdz0iYXV0b3BsYXk7IGVuY3J5cHRlZC1tZWRpYSIgYWxsb3dmdWxsc2NyZWVuIGRhdGEtbm8tbGF6eT0iMSIgZGF0YS1za2lwZ2Zvcm1fYWpheF9mcmFtZWJqbGw9IiI+PC9pZnJhbWU+PC9kaXY+