Connect with us

A Tua Revista

Branco mais branco não há

Avatar

Publicado há

em

Não tens jeito nem paciência nenhuns para cuidar da tua casa? Fazes jantares e deixas tudo de pantanas? Um grupo de estudantes universitários está prestes a tornar a tua vida muito melhor, com um serviço de limpeza criado a pensar em ti e no teu bolso. Agora já só precisas de dizer “Limpa-m’isto”!

equipaO “bichinho” do empreendedorismo juntou sete estudantes universitários de Lisboa e do Porto que, concebida a ideia, não tiveram dúvidas de que este seria um projeto para agarrar. Joana Cabral e João Ambrósio, estudantes de Medicina, Tomás Ambrósio, Eduardo Santos, André Cabral e Vasco Elvas, alunos de Economia, e Francisco Amaral, da área do Direito, identificaram a falha de mercado, juntaram-se e criaram a solução para um problema que eles próprios, à semelhança de grande parte dos alunos do Ensino Superior, enfrentam.
O Limpa-m’isto é um serviço de limpeza para estudantes, atualmente disponível em Lisboa e no Porto, e promete pôr fim às pilhas de loiça e às camadas de pó que tens lá em casa.

Porquê um serviço de limpezas para estudantes?
Os estudantes universitários, sobretudo os que estão a morar sozinhos, não têm como prioridade a limpeza. A roupa e a louça suja acumulam-se, as festas deixam marcas ou simplesmente falta a energia. Estas são as premissas dos fundadores do Limpa-m’isto, que criaram a solução para que a tua casa não tenha de ser assim, com a vantagem de não teres de mexer uma palha. Porque segundo estes jovens, “na melhor fase das suas (nossas!) vidas, os estudantes universitários não devem fazer coisas de que ninguém gosta”.

Para o Limpa-m’isto trata-se acima de tudo de manter a casa arrumada, mas também “de uma questão de tempo e disponibilidade (que tantas vezes falta!) para conseguir um serviço flexível e de confiança”, de acordo com os seus fundadores.
E a verdade é que a resposta que os universitários estão a dar “não poderia ser melhor prova disso mesmo”, segundo a malta do Limpa-m’isto. “Todos os dias recebemos mensagens de estudantes a dizer-nos que faltava nas suas vidas um serviço como o nosso”, concluem.
E de facto, manter a casa arrumada, não sendo uma prioridade, é algo que pode aumentar muito a tua qualidade de vida.

Como funciona?
A base do serviço é o site – www.limpamisto.com – e é lá que deves ir para obteres toda a informação, e para eventualmente fazeres o respetivo agendamento. O Limpa-m’isto promete, depois de preencheres um formulário muito clean, entrar em contacto “num curtíssimo espaço de tempo” para acertar os detalhes do serviço.

O serviço é de confiança?
Em relação à qualidade das empregadas, a malta do Limpa-m’isto esforça-se para assegurar “um serviço profissional e eficiente”. Para isso, as suas profissionais de limpeza “são submetidas a um processo de seleção criterioso”. O resultado é a satisfação dos clientes, que realçam “a simpatia e a eficácia” de quem visita a sua casa.

Onde está disponível o Limpa-m’isto?
Este é um serviço DE estudantes universitários e PARA estudantes universitários, nomeadamente das zonas de Lisboa e Porto. Para já, o Limpa-m’isto opera nestas duas cidades, por concentrarem uma grande quota das instituições de ensino e dos estudantes universitários do país. O objetivo passa por, no futuro, “implementar o serviço a cidades como Coimbra, Aveiro ou Braga, e quem sabe até atingir o plano internacional”, referem os fundadores.

Modalidades e Preços
O Limpa-m’isto desenhou pacotes “flexíveis e em conta”, pensados especialmente para os estudantes. Neste momento, estão disponíveis 4 pacotes:
– 8 euros por 1 hora, para uma arrumação simples, rápida e ocasional;
– 20 euros por 3 horas, para uma limpeza mais profunda e completa;
– 26 euros por 1 hora por semana durante 1 mês, para uma limpeza mais regular;
– Serviços personalizados, para planos mais regulares e extensos.

Os clientes e o feedback
De acordo com os jovens responsáveis pelo Limpa-m’isto, o feedback tem sido “extremamente positivo”. E, para eles, isso é fácil de explicar: “Enquanto universitários, conhecemos de perto a apetência que temos para a sujidade e desarrumação. Essa é uma tendência generalizada, à qual queremos dar resposta, e por isso a recetividade tem sido tão positiva”.

Agora #JáNãoHáDesculpas para teres a casa de pantanas.

[Entrevista: Tiago Belim]

[Fotos: cedidas pelos entrevistados]

Publicidade
Clica para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

PGRpdiBjbGFzcz0iZXB5dC12aWRlby13cmFwcGVyIj48aWZyYW1lICBzdHlsZT0iZGlzcGxheTogYmxvY2s7IG1hcmdpbjogMHB4IGF1dG87IiAgaWQ9Il95dGlkXzM0MTIyIiAgd2lkdGg9IjQ5MCIgaGVpZ2h0PSIyNzYiICBkYXRhLW9yaWd3aWR0aD0iNDkwIiBkYXRhLW9yaWdoZWlnaHQ9IjI3NiIgIGRhdGEtcmVsc3RvcD0iMSIgc3JjPSJodHRwczovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS9lbWJlZC9SZ0RXTGpXUjktaz9lbmFibGVqc2FwaT0xJmF1dG9wbGF5PTAmY2NfbG9hZF9wb2xpY3k9MSZyZWw9MCZpdl9sb2FkX3BvbGljeT0xJmxvb3A9MCZtb2Rlc3RicmFuZGluZz0xJmZzPTEmcGxheXNpbmxpbmU9MCZhdXRvaGlkZT0yJnRoZW1lPWRhcmsmY29sb3I9cmVkJmNvbnRyb2xzPTEmIiBjbGFzcz0iX195b3V0dWJlX3ByZWZzX18gIG5vLWxhenlsb2FkIiBkYXRhLXZvbD0iMTAiICBkYXRhLWVwYXV0b3BsYXk9IjEiICB0aXRsZT0iWW91VHViZSBwbGF5ZXIiICBhbGxvdz0iYXV0b3BsYXk7IGVuY3J5cHRlZC1tZWRpYSIgYWxsb3dmdWxsc2NyZWVuIGRhdGEtbm8tbGF6eT0iMSIgZGF0YS1za2lwZ2Zvcm1fYWpheF9mcmFtZWJqbGw9IiI+PC9pZnJhbWU+PC9kaXY+