Connect with us

Em destaque

As Mulheres são quem enfrenta mais barreiras na sua carreira profissional

Publicado há

em

De acordo com os dados do recente inquérito realizado pela Hays sobre “Diversidade & Inclusão – Retrato do Mercado de Trabalho em Portugal”, as mulheres são quem considera ter mais barreiras durante a sua carreira profissional e, 58% das inquiridas do género feminino, considera o Género como principal barreira a essa progressão.

Dados mais concretos indicam que, no que diz respeito à progressão de carreira, 61% das mulheres inquiridas considera ter barreiras na sua progressão profissional, em oposição a 44% dos homens.

Além disso, os dados mostram-nos que os motivos entre homens e mulheres são bastante diferentes – os homens referem a idade (61%) como principal fator limitador e as mulheres, por sua vez, apontam o género (58%) como motivo.

Relativamente à remuneração, apenas 22% das mulheres considera que a empresa remunerada/compensa de forma justa independentemente do género, em comparação com 46% dos homens. Os homens foram também os que revelaram ter mais promoções, aumentos e propostas de emprego (24%, 47% e 68%, respetivamente) em comparação com as mulheres (18%, 40% e 56%, respetivamente).

Os cargos com maior nível hierárquico nas empresas continuam a ser maioritariamente ocupado por homens: 79% dos inquiridos referiu que o cargo mais sénior na hierarquia da sua empresa é ocupado por homens, sendo que apenas 17% referiu serem mulheres.

Relativamente a chefias diretas, 67% dos inquiridos refere que o cargo é ocupado por homens e apenas 31% referiu ser por mulheres. Paula Baptista, Managing Diretor da Hays, comenta esta questão referindo que “estas duas situações mostram-nos que, claramente, o acesso de mulheres a cargos de chefia intermédia (“direta”) ainda tem bastantes limitações, mas essas limitações são ainda mais aparentes em cargos de alta chefia”.

No entanto, a perceção que os homens e as mulheres têm relativamente a estas questões é completamente díspar. Paula Baptista acredita que “isto seja porque também têm experiências verdadeiramente distintas. Como vimos, as mulheres são quem refere ter mais barreiras quanto à possibilidade de progredir a nível profissional. E quando questionados sobre essas mesmas barreiras, é interessante relembrar que os motivos entre homens e mulheres foram opostos – os homens referem a idade como principal fator limitador e as mulheres o género”.

Ainda em relação aos profissionais, quando questionados sobre se a sua empresa possui políticas de diversidade de género, quase 1/3 dos inquiridos não sabe se existem políticas de diversidade e inclusão na empresa.

Relativamente à opinião dos empregadores, 82% dos inquiridos dizem desconhecer se as empresas que representam aplicam este tipo de políticas. No que diz respeito às oportunidades de carreira independentemente do género, 79% dos inquiridos homens considerou que na empresa que representa estas são iguais para ambos os géneros, em oposição a 58% da opinião feminina.

“Os dados deste estudo permitem-nos concluir que ainda há um longo caminho a fazer no que diz respeito a igualdade de oportunidades e inclusão no mercado de trabalho. No entanto, também importa referir que tem havido uma clara evolução e esforço de mudança por parte dos empregadores em Portugal. É de salientar que o tema da Diversidade & Inclusão é uma prioridade em diversas empresas em Portugal e existem planos e projetos a desenvolver neste sentido”, conclui Paula Baptista.

Consulta aqui o relatório. 

Clica para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *