Connect with us

Em destaque

Número de vagas do curso de Medicina da UAlg aumenta

Joana Fonseca

Publicado há

em

UAlg

O Mestrado Integrado em Medicina (MIM) da Universidade do Algarve (UAlg) iniciou este mês a 12.ª edição e veio a acompanhar o aumento do número de vagas face ao ano transato, de 48 para 64 alunos, e apontando à meta dos 100 no futuro.

Manuel Heitor, ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, esteve presente na sessão de acolhimento aos novos alunos, a  intitulada «cerimónia da bata branca», onde afirmou que “o trabalho realizado no último ano pela Universidade e pelo Algarve Biomedical Center, as parcerias estabelecidas para o reforço da atividade científica, a contratação que a UAlg fez de novos médicos e a relação crescente com o Centro Hospitalar Universitário do Algarve”. O ministro defende ainda que “a universidade tem dado os passos certos para aumentar o número de estudantes, assegurando sempre um ensino da melhor qualidade, juntamente com as práticas clínicas”.

A cerimónia foi organizada pelo Núcleo de Estudantes de Medicina da Associação Académica da UAlg e o reitor Paulo Águas. Contou com participações de docentes e estudantes do mestrado, que abordaram a importância da ética médica.

“O curso tem contribuído de forma muito positiva para a fixação de médicos no Algarve e para a melhoria da qualidade dos cuidados de saúde e investigação associada. Nomeadamente através da formação de cerca de 300 novos médicos, dos quais cerca de 37% trabalha presentemente na região algarvia, e do aumento do número de médicos doutorados no Algarve, que passou de 2, em 2009, para mais de 25, em 2020.” afirma a Universidade do Algarve.

A Ordem dos Médicos já reconheceu publicamente o curso de Medicina da UAlg, nomeadamente pela incorporação da atribuição dos prémios «Manuel Machado Macedo» aos seus melhores estudantes, no âmbito das cerimónias de «Juramento de Hipócrates» em Lisboa.

Realce ainda para os exames do European Board of Medical Assessors, cujos resultados dos estudantes do MIM se situaram acima da média populacional das universidades participantes: Universidade de Helsinki (Finlândia), Universidade de Maastricht (Holanda) e David Tvildiani Medical University (Geórgia).

Publicidade
Clica para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

PGRpdiBjbGFzcz0iZXB5dC12aWRlby13cmFwcGVyIj48aWZyYW1lICBzdHlsZT0iZGlzcGxheTogYmxvY2s7IG1hcmdpbjogMHB4IGF1dG87IiAgaWQ9Il95dGlkXzEzNjM0IiAgd2lkdGg9IjQ5MCIgaGVpZ2h0PSIyNzYiICBkYXRhLW9yaWd3aWR0aD0iNDkwIiBkYXRhLW9yaWdoZWlnaHQ9IjI3NiIgIGRhdGEtcmVsc3RvcD0iMSIgc3JjPSJodHRwczovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS9lbWJlZC9SZ0RXTGpXUjktaz9lbmFibGVqc2FwaT0xJmF1dG9wbGF5PTAmY2NfbG9hZF9wb2xpY3k9MSZyZWw9MCZpdl9sb2FkX3BvbGljeT0xJmxvb3A9MCZtb2Rlc3RicmFuZGluZz0xJmZzPTEmcGxheXNpbmxpbmU9MCZhdXRvaGlkZT0yJnRoZW1lPWRhcmsmY29sb3I9cmVkJmNvbnRyb2xzPTEmIiBjbGFzcz0iX195b3V0dWJlX3ByZWZzX18gIG5vLWxhenlsb2FkIiBkYXRhLXZvbD0iMTAiICBkYXRhLWVwYXV0b3BsYXk9IjEiICB0aXRsZT0iWW91VHViZSBwbGF5ZXIiICBhbGxvdz0iYXV0b3BsYXk7IGVuY3J5cHRlZC1tZWRpYSIgYWxsb3dmdWxsc2NyZWVuIGRhdGEtbm8tbGF6eT0iMSIgZGF0YS1za2lwZ2Zvcm1fYWpheF9mcmFtZWJqbGw9IiI+PC9pZnJhbWU+PC9kaXY+