Connect with us

Desporto & Saúde

Médico português da OMS defende que existe um exagero nas medidas tomadas por Portugal

Joana Fonseca

Publicado há

em

Pixabay

As medidas têm sido aos poucos e poucos menos rigorosas, mas deve sempre haver um grande controlo do que é feito, se por um lado um grupo defende que é estritamente necessário as restrições, por outro lado, há quem julga que as medidas estão a ser exageradas, como é o caso do médico português Nelson Olin, consultor da WHO Academy, da Organização Mundial da Saúde (OMS).

O médico português explica “a tendência deste vírus é de se tornar endémico, esta é a única forma de a médio e longo prazo se criar uma imunidade de grupo. Neste momento, há um certo exagero nas medidas tomadas do ponto de vista do distanciamento, das máscaras, das luvas e da circulação dentro de espaços”. 

O especialista defende que é preciso ter noção do preço a pagar, defendendo que Portugal está em muito o adquirir da imunidade de grupo que nos iria proteger a todos, no entanto, é uma visão pessoal e não uma posição da Organização Mundial da Saúde.

Acrescenta que os grupos de risco devem continuar a ser protegidos, pelo menos, enquanto não existir uma vacina ou tratamento, que as medidas de proteção como a lavagem de mãos são mais que suficientes para que não haja a propagação em grande escala.

Publicidade
Clica para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *