Connect with us

Novidades

António Alves: Futuro chegou. Estamos preparados?

Avatar

Publicado há

em

António Alves Presidente da Associação Académica de Aveiro

O mundo evoluiu, as pessoas e os estudantes evoluíram. O Ensino Superior não.

Numa reflexão muito rápida e superficial, facilmente se encontram uma série de problemas graves, que condicionam o potencial do ecossistema do Ensino Superior: o próprio modelo de acesso, o financiamento insuficiente das IES, ação social desajustada à realidade atual, a problemática da mobilidade, alojamento estudantil em crise e o RJIES adamastor que parece intocável. O movimento estudantil sempre teve um papel ativo e interventivo na procura de soluções, discutidas ao longo de anos e nada parece evoluir.

Por outro lado, parece-me existir uma questão mais grave, por vezes desvalorizada, mas que condiciona todo o objetivo central deste complexo ecossistema, o ensino e formação.

O Ensino Superior em Portugal, com séculos de história, comporta atualmente mais de 380 mil estudantes. 380 mil jovens que são o futuro do país e do mundo, com um potencial brutal de desenvolvimento da sociedade nas mãos. No entanto, o ensino não mudou, continuamos a ser alvo de formatação, tal como há séculos atrás, num auditório ou sala de aulas, numa dinâmica unilateral de relação professor-estudante. É assim agora, como sempre foi, desde os primeiros anos de escola primária até ao Ensino Superior. Os modelos estão ultrapassados.

Como é possível estarmos numa era marcada pelo exponencial crescimento tecnológico e andamos ainda a usar papel e caneta, tal como penas e pergaminhos. Como é possível, no século XXI, estar-se a aprender programação informática em cadernos e não em computadores. Estamos mesmo a ser preparados para o futuro? Penso que não.

Não admira que o grau de satisfação dos estudantes no Ensino Superior esteja a diminuir, não admira, também, a redução constante das taxas de assiduidade dos estudantes às suas aulas. Vemos, constantemente, salas de aula a serem substituídas pelos quartos dos estudantes e os professores a ser substituídos por gurus americanos em canais de Youtube. E isto merece reflexão.

No mesmo sentido, aquilo que são os cursos de sucesso de hoje, não são os cursos de sucesso de amanhã. O mundo evolui e a sociedade adapta-se. O Ensino Superior não se adapta ao ritmo da evolução. Os cursos emergentes de hoje, respondem às necessidades da atualidade, mas provavelmente estão longe das necessidades daqui a 10 ou 20 anos, embora um estudante, no fim do seu ciclo de estudos, conte com 40 anos de trabalho pela frente. Estará o Ensino Superior a formar para o mundo do futuro? Temo que os estudantes estejam a sair do Ensino Superior sem preparação para o amanhã e formados para os empregos do passado.

Deixo aqui uma série de reflexões preocupantes sobre o futuro. Uma coisa posso garantir, o Futuro chegou, e os estudantes estão comprometidos e disponíveis para construir um caminho de soluções e sucesso para o amanhã.

 

Texto de António Alves- Presidente da Associação Académica da Universidade de Aveiro

Publicidade
Clica para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

PGRpdiBjbGFzcz0iZXB5dC12aWRlby13cmFwcGVyIj48aWZyYW1lICBzdHlsZT0iZGlzcGxheTogYmxvY2s7IG1hcmdpbjogMHB4IGF1dG87IiAgaWQ9Il95dGlkXzMwMTQzIiAgd2lkdGg9IjQ5MCIgaGVpZ2h0PSIyNzYiICBkYXRhLW9yaWd3aWR0aD0iNDkwIiBkYXRhLW9yaWdoZWlnaHQ9IjI3NiIgIGRhdGEtcmVsc3RvcD0iMSIgc3JjPSJodHRwczovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS9lbWJlZC9SZ0RXTGpXUjktaz9lbmFibGVqc2FwaT0xJmF1dG9wbGF5PTAmY2NfbG9hZF9wb2xpY3k9MSZyZWw9MCZpdl9sb2FkX3BvbGljeT0xJmxvb3A9MCZtb2Rlc3RicmFuZGluZz0xJmZzPTEmcGxheXNpbmxpbmU9MCZjb250cm9scz0xJmNvbG9yPXJlZCZhdXRvaGlkZT0yJnRoZW1lPWRhcmsmIiBjbGFzcz0iX195b3V0dWJlX3ByZWZzX18gbm8tbGF6eWxvYWQiIGRhdGEtdm9sPSIxMCIgIGRhdGEtZXBhdXRvcGxheT0iMSIgIHRpdGxlPSJZb3VUdWJlIHBsYXllciIgIGFsbG93PSJhdXRvcGxheTsgZW5jcnlwdGVkLW1lZGlhIiBhbGxvd2Z1bGxzY3JlZW4gZGF0YS1uby1sYXp5PSIxIiBkYXRhLXNraXBnZm9ybV9hamF4X2ZyYW1lYmpsbD0iIj48L2lmcmFtZT48L2Rpdj4=