Connect with us

Ciência & Tecnologia

Estudo da UC defende que a doença de Alzheimer pode ser diagnosticada precocemente através da retina

Flávia Ramalho

Publicado há

em

Um estudo longitudinal realizado por uma equipa multidisciplinar da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra (FMUC) demonstrou que a retina pode ser um biomarcador relevante para o diagnóstico precoce da doença de Alzheimer.

Francisco Ambrósio é o coordenador da equipa de investigadores que efetuou o estudo.

Os investigadores observaram um modelo animal, no qual efetuaram uma bateria de testes em que avaliaram a estrutura e a função da retina, assim como a estrutura cerebral.

O estudo incidiu na retina pois é um tecido do sistema nervoso central, que tem a mesma origem embrionária que o cérebro e é considerada uma extensão do cérebro.

Foi realizado um estudo longitudinal, único e inovador, com um modelo animal triplo transgénico da doença de Alzheimer (3×Tg-AD)” – explica uma nota enviada à redação acrescentando, – “um murganho que possui três genes humanos com mutações associadas a esta doença neurodegenerativa, no qual foram avaliadas em simultâneo as alterações da retina e do córtex visual, in vivo, em quatro tempos diferentes: 4, 8, 12 e 16 meses de idade. Foi também usado um grupo de controlo (murganhos saudáveis)”.

A retina do modelo animal observado mimetizou o que acontecia no cérebro, ou seja, quando nesta área havia uma redução do volume da estrutura do hipocampo e do cortex visual, na retina registava-se uma redução da espessura das camadas mais internas. Este facto relaciona-se, segundo Francisco Ambrósio, “em todas as fases estudadas [4, 8, 12 e 16 meses], observou-se uma redução da espessura das camadas mais internas da retina, o que se correlaciona com a redução do volume do hipocampo e do córtex visual”.

“Esta correlação sugere que se poderá utilizar a retina como mais uma ferramenta para o diagnóstico precoce da doença de Alzheimer”, conclui o investigador.

O estudo foi publicado na Alzheimers Research & Therapy, uma das principais revistas internacionais na área das Neurociências e da Neurologia Clínica.

[Imagem: Universidade de Coimbra]

Publicidade
Clica para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *